CAPÍTULOS DO LIVRO

O Rosto da Mãe

  • Posted on: 10 October 2018
  • By: claudio

Observe o rosto da mãe.

       

Ela passa por momentos em que as contrações ficam mais intensas, até que o nenê sai, ocorrendo aí uma sensação de alívio, expansão e prazer, em que a mãe vai ver seu filho.

A mãe contata o filho. Olha-o, escuta seu choro, seus sons. Pega com a ponta dos dedos a mãozinha da criança. Toca seu ombro, fala com ele, acaricia seu tronco.

Parto de Cócoras, Curitiba, 1977. Foto: CP

Existe uma dança vibratória entre mãe-filho-mãe, que ordena os movimentos. O nenê vê, cheira, suga e escuta. Sua atenção é plena.

A penumbra da sala de parto é envolvida pela emoção e por um som profundo e silencioso. Corta-se o cordão, a mãe pega o nenê e o aconchega da sua mama.

Na maior parte das vezes, o nenê mama. Ele já nasce sugando.

      

A média de tempo de dequitação da placenta é de vinte minutos. Cortamos o cordão quando ele para de pulsar.

O nenê, quando nasce, tem consciência do que acontece. Ao contrário de nós adultos que ano recebermos uma informação confrontamos com o que temos na nossa memória, comparamos e analisamos, o recém-nascido sente as impressões, o cheiro da mãe, seu ritmo, seu toque, muito mais sutil e intensamente que nós. Seus filtros ainda não estão elaborados pela domestificação. Sua percepção é direta.

Se existe tensão no ar, esta é sentida. Se existe rechaço, este é aceito. Se existe amor, este impressiona.